30 de novembro de 2007

MÚSICA PARA ESTRAGAR REPUTAÇÕES

Continuando a falar de música gostaria de deixar aqui claro que as cinco que apresentei no último post não são as únicas que me ecoam diariamente no aparelho auditivo.

Há mais umas. Maravilhoso Coração e Ninguém, Ninguém de Marco Paulo são outros hits que recorrentemente canto. Também Depois de Ti Mais Nada do Tony Carreira e Sempre que o Amor Me Quiser da Lena d'Água surgem na lista dos mais tocados. Outras incluem o Aqui no Mar e Beije a Moça da Pequena Sereira, o Príncipe Ali do Aladino, o Final Countdown dos Europe, o Amazing Grace, o Gafanhoto Cilista do Avô Cantigas e a música de um anúncio da Kinder de há alguns anos.

Ok. Podem começar a gozar a partir de... agora!


No entanto, hoje vinha falar de outra coisa: músicas que supostamente se devia detestar mas que apesar de tudo até se tem um certo prazer em ouvi-las.

Exemplo: Umbrella da Rihanna com o Jay Z (acho que também há outra versão com um gajo qualquer do qual não me lembro o nome, e que substitui a palavra "umbrella" por "cinderella"). É certo e sabido que esta música é má, irritante, absolutamente banal e causa comichão nos ouvidos. No entanto, assumo aqui publicamente que não consigo mudar a estação quando a oiço na rádio. Por vezes dou comigo a cantar isto e a dar audiência à Cidade FM. Depois chicoteio-me em casa, tranquilizem-se.

Outro exemplo é o What I Want do Bob Sinclar (e não Sinclair, confirmem aqui). Nunca fui muito à baila com os assobios do Sr. Sinclar. Ainda consegui disfrutar do Love Generation mas a partir do World Hold On só o Rock This Party é que admito que ouvi com frequência. Agora, o What I Want é qualquer coisa digna de autoria do demo. Aquela mistura de música tribal com uns sons satânicos e berraria alegre e descontraída impede-me de parar de ouvir este êxito do afamado DJ francês. Classifico-a como música de dança ideal para um sacrifício de galinhas. Mas um sacrifício de galinhas bom. Com muito pessoal a adorar a Satã e a dançar loucamente à volta de uma fogueira. É viciante. É bom. Acalma o espírito.


Depois põe-se 10 minutos na Antena 2 para reverter um pouco o processo de embrutecimento.

PS - Ah, e gosto do vídeo clip refinado.

1 comentário:

DGC disse...

Ui... Refinadíssimo!