28 de maio de 2008

É TEMPO DE FALAR DO TEMPO

Como AV está calado há algum tempo resta-me a mim ser o porta-voz da meteorologia deste estaminet (é engraçado como palavras como estaminé ganham em francês um estatuto de coisa respeitável).

A meteorologia é provavelmente das ciência mais incertas e que ao mesmo tempo mais me transtorna, rivalizando com coisas como a astrologia e a alquimia. Relativamente à astrologia, é sabido por quem me conhece que sou ávido coleccionador de cartões de mediums e videntes, e quanto à alquimia é uma coisa que me tira noites de sono. Não é que tenha uma cave escura onde teste poções para transformar calhaus em pepitas de ouro. O que me tira noites de sono é pensar que haja quem passe uma vida inteira a tentar criar "o ouro" a partir de cascalho e não se aperceba que a partir do momento em que o consiga fazer, todas as toneladas desse material precioso do mundo se desvalorizarão, já que se tornará possível fabricá-las.

Bem, mas regressemos à meteorologia. É uma palavra difícil de pronunciar correctamente. Aliás, aposto que não há ninguém em Portugal que a pronuncie me-te-o-ro-lo-gia. Toda a gente que é gente diz "metriologia". E aqui está uma das modificações para um novo acordo ortográfico...

Outra coisa. Alguém me consegue explicar porque é que nos meios de comunicação nunca o "senhor do tempo" é chamado de meteorologista? São todos "técnicos" da meteorologia. Como se alguém tivesse um problema meteorológico no quintal e chamasse o técnico para resolver, como um canalizador que vem apertar uma torneira que pinga.

Eu julgo que os senhores do Instituto de Meteorologia quando assinam o contrato de trabalho com a instituição são obrigados a aceitar umas tantas cláusulas. Uma delas é a de obrigatoriamente numa previsão referir expressões como "possibilidade de ocorrência de neblinas matinais", "vento que vai soprar forte ou moderado" e "prevêem-se abertas para a tarde" assim como nunca dizer palavras como chuva ou nuvens, preferindo sempre expressões como aguaceiros, precipitação, pluviosidade ou nebulosidade. Mas por exemplo, o vento é sempre vento, quer seja de 5km/h ou 300km/h... Onde estão coisas como a brisa fresquinha, o ventinho agradável, o vendaval, a ventania de partir guarda-chuvas ou o soprozinho quente? É sempre vento, vento, vento. Eu nem sei o que é que um vento a 40km/h me pode fazer... Para mim tanto pode ser aquele vento que pede que se use qualquer coisa de malha, como pode ser daqueles em se calhar tenho de começar a pensar em construir o meu abrigo nuclear.

Fora isso é útil. Apesar das diferenças de temperatura entre as ilhas dos Açores serem a coisa mais irrelevante desde que é possível comprar bilhetes para o Estádio de Alvalade onde se fica atrás de um ecrã gigante. Juro por tudo, que nunca, mas nunca na minha vida vi uma diferença de mais de 1 grau entre as temperaturas do grupo ocidental, central e oriental. E mesmo na Madeira a coisa é fácil, mesmo que a diferença de temperatura seja favorável em dez graus no Funchal, eu vou querer estar sempre no Porto Santo. Sempre são 50 km mais longe do Alberto João.

E pronto, quando comecei a escrever isto tinha intenções de falar sobre o tempo ranhoso que por aí anda. Pus-me a divagar e depois é no que dá. Faço posts de dimensões que gente como DGC fazem questão de não ler.

Mas pronto, só uma frase. Está aí Junho e a mim só me apetece é comer castanhas e pensar em comprar uma gabardina amarela de bacalhoeiro.

Contudo vou deixar isso para outro dia, já que falar do tempo é sinal de ausência de temas, ou de que se está num elevador, o que no caso do Gameirices seria um com tendência para ir para as sub-caves.

2 comentários:

DGC disse...

Por acaso li tudo e até achei deveras espectacular. Vou continuar na mesma linha de posts que têm sido publicados e escrever qualquer coisa sobre pedras da calçada ou os melhores temperos para carnes vermelhas.

DGC disse...

Já agora, que anda o diabo de AV a fazer!? Aguardo resposta.