27 de janeiro de 2010

COISAS QUE MELINDRAM IV

De todas as coisas que aborrecem sobremaneira no dia-a-dia, hoje escolhi apresentar-vos apenas uma. Caso ainda não conheçam o Coisas que Melindram, vejam aqui as três edições anteriores.

Para que percebam que no Mundo os flagelos não estão apenas concentrados no Haiti, era bom lembrar-vos de algo ainda mais maçador. Sim, falo-vos dos cabos enleados, e nomeadamente de fios de phones.

Haverá coisa mais chata do que querer um cabo qualquer (seja do carregador do telemóvel, seja o cabo para carregar o portátil, ou outro) e ele estar enleado noutro ou noutros, ou num pé de uma mesa, cheio de nós (às vezes daqueles tipo escuteiros ou marinheiros ou coisa que o valha) e cheios de voltas impossíveis onde nunca nenhuma das extremidades poderia fisicamente passar? Não. Não há. Garanto-vos e desafio-vos a encontrar algo. E fios de phones? Ui... Isso então é para dar em chalupa, que aquilo é coisa para se enrolar em tudo o que se meter à frente. Fios de phones são a malária do desenlear de cabos. O Holocausto está para a história da Humanidade, como os fios de phones estão para a história dos equipamento sonoros. Não é pura e simplesmente possível tirar uns phones de algum lado sem que estes se agarrem a tudo o que têm à sua volta... E nem com aquelas coisinhas em espuma nas pontas se safam, que o tramado está na forma da coisa. Está feito para entrar na orelha e para não mais de lá sair, mas quem diz uma orelha diz uma extensão eléctrica em T, o cabo de alimentação da torradeira, um iô-iô ou cabos de alta tensão (caso os tenham em casa). Eles agarram-se com unhas e dentes (juro que alguns devem ter mandíbulas ou garras) e gritam por socorro enquanto lutam desesperadamente por não se soltarem, e na maioria das vezes até são ajudados pelo outro phone que depois de dar dois nós em si mesmo é capaz de estar agarrado ao fio do rato ou atado a um atacador dos ténis.

Já há tanta coisa wireless, como é que ainda não inventaram os phones wireless?

É por isso que acho que alguém devia abrir uma conta de solidariedade para que com pequenos donativos todos pudéssemos ajudar a acabar com este flagelo. Por enquanto, como não há, podem ir fazendo transferências para a minha conta que eu depois prometo que envio para uma entidade qualquer.

Quantos terramotos houve no Haiti? Um. Quantos phones se prendem diariamente a tudo que mexe? Milhares, senão milhões. Abram os olhos, e vejam lá isso se fazem favor.

1 comentário:

DGC disse...

Deixa-me então o NIB da tua conta para que possa contribuir o combate deste terrível mal que mina as nossas vidas.