28 de abril de 2007

SMS'S AO SOM DE BARRY WHITE


Quem não se lembra daquele serviço de chat telefónico com um jingle absolutamente inesquecível que bradava ao mundo: "Zero, seis, quatro, um. Nove, quatro, dois. Novecentos!"? Pois bem, desenganem-se os cépticos que julgam que a técnina da burla por telefone ficou por aí.

Eu sempre fui cauteloso com tudo o que envolvia ligar para 0641's e outros que tais. Não me meto em drogas, não acelero muito e não me envolvo em coisas com nomes como "Toques Jamba". Vacas a tocar músicas utilizando flatulência? Imagens de garotas de 40 anos descacadas? Nada disso tem presença assídua no meu telemóvel. Nem nunca me deu na cabeça enviar mensagens do tipo"João + Karina" para saber tudo sobre uma possível relação com alguma beldade com esse nome. Muito menos me apetece ter um toque real de uma qualquer música da Melanie C, cantada não pela ex-Spice Girl, mas sim por uma cantora lusitana moradora em Esposende e com um fundo musical à base de sintetizadores Valter & Alexis.

Contudo, e para meu espanto, desde há alguns meses para cá que recebo diariamente aquilo a que a rapaziada do número 4499 (pertencente a uma empresa do ramo que desconheço) chama de "dicas de amor". E o que são as "dicas de amor" do 4499? São mensagens mal amanhadas, a rebentar de erros ortográficos, e de autor infelizmente desconhecido, mas que me arrisco a tentar adivinhar que se chama Joel ou Fábio...

Começam todas invariavelmente por "AMOR:", em maiúsculas não vá o destinatário achar que se trata de dicas de culinária, e segue-se uma qualquer frase foleira envolvendo expressões como "calor do teu olhar", "fogo da tua pele" ou "anjo branco cheio de bondade". E acabam todas com a expressão inglesa abreviada "By b!", que soa sempre mais romântica do que a já muito batida "Xauzão windah/winduh!".

Aqui vão uns exemplos:

"AMOR: Adoro-te mesmo que se vista de tristeza, desejo-te mesmo que estejas longe, amo-te mesmo se fores outra, amo-te mesmo que não souberes que existo. By b!"
"AMOR: Provocas sentimentos puros de simples ternura, ver-te e ver anjo branco cheio de bondade e so posso dar o meu amor. By b!"
"AMOR: Os suspiros sao ar e vao para o ar, as lagrimas sao agua e vao para o mar. E quando o amor se esquece para onde vai? Becquer. By b!"

Vê-la é ver anjo branco cheio de bondade, e como consequência, só pode dar o seu amor?... Bem, então a última é a minha preferida... Epá! Querem coisa mais poética do que suspiros que são ar, e lágrimas que vão para o mar, e a dúvida que inquieta meio Portugal: para onde vai o amor esquecido?! Sim, estou preocupado com ele. E depois, aquele enigmático "Becquer"... O que quer dizer? Há uma tarte de mirtilo à espera no meu frigorífico para quem descobrir.

Há também umas dignas da Ágata (Ah! Chiça! Lá se vai a promessa de não mencionar tópicos relativos à música pimba...)

"AMOR: Mente-me, mente-me e diz-me que sempre me amaste, que sou o teu unico desejo e que nunca, nunca, outro te beijou. By b!"

Antes de levar com um tiro na testa de algum leitor amante de Tchaikovsky e farto de se falar aqui em música pimba, volto já ao assunto principal.

Temos também poemas dignos de figurar numa nova revista Orpheu.

"AMOR: Vi uma estrela cadente e um desejo pedi: q me ames como eu te amo a ti. By B!"

E outras indecifráveis... Aliás, dá-me ideia que o estarola que escreve estas "dicas de amor" não tem parceira há alguns anos. Ou então é um pobre coitado, a ganhar o salário mínimo, e que escreve "dicas de amor" das 9 às 5. Reparem bem nesta:

"AMOR: Desejo acordar-te cada manhã, levar o teu corpo ao amanhecer, olhando-te com um beijo de amor."

Ai mãe... Qual o sentido disto? O gajo quer acordar a tipa de manhã e levar o corpo dela ao amanhecer (??), e depois quer olhá-la com um beijo? Isto não é Camões, Joel... Tem de se perceber melhor. Não basta pôr palavras bonitas como manhã, beijo, amor e corpo, e baralhá-las tipo dominó. Eu cheira-me que lá na empresa do 4499 devem ter um tômbola tipo Totoloto na qual sorteiam todas as semanas as palavras que enfiam nas mensagens.

"- Olha Saúl, hoje saiu «coração», «lábios», «cabelo» e «luar»...
- OK, vamos então a isto. Que tal «Deito-me de coração quente derivado de me lembrar dos teus lábios. Sinto o teu cabelo aqui perto porque me cheira que hoje está um luar do caraças."
- Tira o "caraças" e pões antes "camandro" e 'tá feito.
- Fixe meu. A minha Sónia ia adorar esta."

Ou então o filho de algum deles na escola.

"-Então e o que faz o teu pai?
-É engenheiro civil. E o teu?
-É um creativo.
-Creativo?
-Sim, faz "dicas de amor" para o 4499"

Bom. Chega de exemplos. Aliás, até aposto que MAS e DGC não vão conseguir chegar até aqui tão abaixo no texto. Vou então terminar.

O mais inquietante nisto tudo é que eu nunca me inscrevi numa coisa destas. Nunca precisei que inventassem frases românticas por mim. Nunca mandei mensagens para números com 4 dígitos. E espero até ao momento nunca ter pago um tostão que seja para receber esta trampa. É que isto já dura desde o final de 2006, e pelo que vejo na televisão uma SMS's destas ao som de Barry White deve rondar o euro e meio... A minha teoria é que deve andar um pobre coitado em Alcabideche que se inscreveu nisto e se enganou a dar o número. Paga todos os meses para eu me rir um bocadinho à custa das "dicas de amor". Espero bem que seja isto, porque senão ficarei até bater a bota a lutar por uma indemnização. Amanhã ligo para a Vodafone para ver se resolvo o problema. Ate lá,

By b!

CRÍTICAS (NÃO TEM MÚSICA PIMBA NEM VÍDEOS DO YOUTUBE)

Ultimamente o Gameirices tem recebido alguma crítica (principalmente interna) relativamente a alguns aspectos relacionados com o seu conteúdo. Na minha reles opinião, o principal ponto criticável do Gameirices é essencialmente a sua crónica falta de conteúdo. Mesmo assim, também tenho de concordar com as críticas que dizem "Epá! Que overdose de música pima!" e "Epá! Que overdose de vídeos do Youtube." De hoje em diante farei todos os possíveis para controlar a sobredosagem de música pimba e vídeos em geral, assim como auto-infligir-me-ei com a tortura do sono esta noite por forma a escrever qualquer coisa de jeito aqui no estaminé.

Quanto aos críticos que afirmam "Epá! Não li o post porque era muito comprido, mas amanhã, quando estiver mais disperto, logo leio" reitero que continuarei a fazer posts compridos por forma a proporcionar um salutar exercício do globo ocular do leitor, e se possível, um deslocamento da retina.

PS - É ponto assente que o protótipo do crítico bloguista começa as suas frases por "Epá!".

15 de abril de 2007

SÓ ISTO MEU

...quanto à MINHA sugestão..estou à espera que se mude senhor gestor do Blog.

13 de abril de 2007

SÓCRATES BASQUETEBOLISTA

Depois de Ticha Penicheiro, é a vez de José Sócrates dar cartas no basquetebol internacional.


Afinal não é só na maratona...

8 de abril de 2007

PRIMOR VIDEOCLIPÍSTICO

Hoje trago-vos três vídeos do mais puro videoclipismo de qualidade nacional, com chancela pimba.

Primeiro temos o segundo vídeo de Ágata, que depois de Perfume de Mulher continua aqui na saga dos problemas conjugais. Depois do drama da descoberta da traição pelo sacana do marido, agora o referido tenta afiambrar-se à custódia do filhinho, coitadinho. Reparem que mesmo separado da Ágata o marido continua com um aprimorado gosto para gravatas e fatos-de-treino.



Gostaram? Ainda bem. Quando eu for grande também quero ter um pai que me leve a pescar à beira-mar. E especialmente naquele sítio... Tanto peixe que se deve apanhar na rebentação, ui!

De seguida apresento-vos as sensuais Tayti, que com o seu segundo sínguel Devora-me, acabavam por consolidar a sua posição no Monte Olimpo que era na altura para a música nacional o programa Big Show SIC. Estas meninas tinham uns meses antes editado o êxito Mexe o Tu-tu. Mas eu prefiro de longe este Devora-me, tão ou mais sensual do que uma Marylin Monroe a cantar o Happy Birthday Mr. President. Preparem-se para fatos justos de pele de leopardo quase genuína, banhos de espuma, raparigas em pelota debaixo de lenções de cetim pretos, e outras a assar pernas à frente de uma lareira, entradas triunfais na discoteca Planet, pianos, contrabaixos e sopros dignos de jazz. Quem disse que as loiras eram as melhores!? Ruivas e morenas era o que estava a dar nos saudosos 90. Ah! Já agora... Fica também sempre bem aquele toque home made, quase a tocar o filme porno.



E por falar em filmes porno, tomem lá a canção especial de Natal do canal Viver. Sim, esse mesmo. O mítico canal 18, que a partir de uma determinada hora julgo, ou melhor, disseram-me, que dava antigamente umas coisas engraçadas. Bem... Nada como uma canção de Natal para aquecer esta Páscoa. E se tiver pessoas vestidas de branco e/ou com pêlos do peito à mostra, e se a isso se juntar um fundo com um degradé do azul para o roxo, frases como "Aleluia, aleluia, pelos Cristos diários, pelos homens que plantam, pelos santos operários" e nomes sonantes do panorama musical nacional e além-Atlântico como Alexandre Faria, Renato Ferreira, Yoli Planagumá, Marcelo Reis, Maria do Carmo, Marcus Levy, Carla Rodrigues e a pequenita Natasha Levy. Vamos, povos do mundo! Oiçam este hino e rejubilem! Acabem com as guerras e paz no mundo e isso e tal...

6 de abril de 2007

BABYDOLL


Babydoll é uma peça de vestuário propícia para dormir (ou deixar que o parceiro não pregue olho), normalmente usada por mulheres (e anormalmente usada por homens). É frequentemente adornado com laços, rendas, bordados, fitas, pêlo, bows, etc. e pode ser feito de cetim, chiffon, seda ou tecido semi-transparente. A principal característica desta paça de vestuário, para além da sua trasnparência, é o seu comprimento ou melhor dizendo, a sua falta de comprimento. É uma peça extremamente curta (um palmo abaixo das ancas) o que dá ao Babydoll a utilidade de arma de sedução.
Popularizado em 1956 no filme "Baby Doll", com Carrol Baker no papel principal, nunca foi bem aceite pela sociedade da época devido à sua remetência sexual. Na sociedade contemporânea o Babydoll é de fácil acesso, tendo uma vertende no mundo da moda onde é vulgarmente usado com jeans, saias, etc.

A LISTA DE... CONTABILIDADE

Quero aqui, muito rápido uma lista de pessoas que possam dizer "Sim Contabilidade (I, II ou o raio qu'a parta), uma cadeira deveras interessante e fácil por sinal que vai bem com um portozinho ou umas pataniscas". Vá cheguem-se á frente, quero vê-los e um dia poder gritar essa frase em plenos pulmões sem estar bêbada ou sob efeito de estupefacientes!

4 de abril de 2007

ESTRELA CADENTE OU ÊXITO INTERNACIONAL

Cada vez mais Quim Barreios cai no ranking prestigioso das estrelas que idolatro. Então não é que também A Garagem da Vizinha, obra-prima da música ordinareca nacional, afinal tem outros autores. E ainda por cima directamente duma qualquer terriola no meio da Amazónia.

Apresento-vos as versões d'A Garagem da Vizinha de Sandro e Gustavo, a de Rionegro & Solimões, a de Frank Aguiar, a de Marcos e Fernando e a dos Latitude 10. Também consegui encontrar uma música no terceiro trabalho discográfico dos brasileiros Os Mauricinhos do Forró, chamada A Garagem da Vizinha. E já no estonteante álbum Hoje tem Forró! de Kiko e as Jambetes encontramos anunciado na capa do CD a faixa A Garagem da Vizinha. Serão as mesmas? O mistério prolonga-se...

neste sítio, encontro uma lista com várias canções brasileiras de sucesso, e ao lado de A Garagem da Vizinha (versão de Sandro e Gustavo) afirma-se que os autores da melodia e da brilhante letra são Jairo Goes e Edymar Neves. Já agora, posso dizer-vos que Sandro e Gustavo infelizmente já não fazem um dupla musical, já que Gustavo partiu para novos caminhos, apostando numa carreira a solo, como podem comprovar aqui (atentem por favor no título da página, lá bem em cima: GUSTAVO Basta Me Telefonar).

Voltando a Quim Barreiros, a dúvida acaba por não se esclarecer. Será que Quim Barreiros é o Rei do Plágio, ao invés de Rei da Queima das Fitas como se auto-intitula? Ou será que anda por aí muito brasileiro com o olho posto no que de melhor se faz por cá no âmbito da música popular? Quero acreditar que Jairo Goes e Edymar Neves são ex-imigrantes que passaram por cá, e que adoptando uma política de "Ei, meu chapa! Ninguém vai topar, não." adaptaram a letra ao estilo sertanejo e por lá a venderam a bandas como Os Mauricinhos do Forró.

Outra hipótese será ainda o surgimento de um surto de exportação para o Brasil de música popular portuguesa proveniente de Vila Praia de Âncora, terra natal de Joaquim Fernandes Barreiros. Nesse caso teremos de passar a olhar para Quim de outra maneira, assim como teremos de acrescentar a música pimba à pequena lista de exportações nacionais. Fado, vinho do Porto, cortiça, jogadores de futebol e música de Quim Barreiros. Sim senhor. Ainda dizem que a música portuguesa não tem projecção.