15 de agosto de 2007

MISTÉRIOS DA VIDA DESVENDADOS I

Porque é que quando se lava a cabeça no banho duas vezes, a primeira vez produz uma espuma normal, e a segunda cria uma espécie de vulcão de champô em erupção no nosso couro cabeludo?

Resposta que eu considerei plausível ao longo de anos:

Porque as moléculas do champô acordam quando abrimos a tampa e as melhores não têm tempo de saltar para a parte de cima do frasco. Assim, da segunda vez, as melhores moléculas já estão à espera e saltam para o topo do frasco desejosas de fazer espuma como se não houvesse amanhã.

Resposta que descobri recentemente, e que afinal parece que está mais correcta:

Quando pomos o champô da primeira vez, ele acaba por não sair por completo na primeira passagem de água. Ou seja, há sempre um resto indetectável de champô que não sentimos mas que está lá. Quando lhe juntamos mais champô o resto que já lá estava ajuda a que a espuma cresça feita tsunami assassino pronto a nos deixar de olhos a arder o resto do banho.


E pronto. Dúvida esclarecida, mistério desvendado. Para a próxima semana esclareço porque é que as pessoas escrevem sempre "joao pias" quando se dirigem a mim no MSN.

Sem comentários: