17 de julho de 2008

RUAS ESTRANHAS DE LISBOA II: EDIÇÃO TRAVESSAS

Em Lisboa as travessas são dos arruamentos com nomes mais estranhos. Há de tudo, desde a famosa Travessa da Espera no Bairro Alto, e onde normalmente se espera por pessoas, até coisas como a Travessa da Peixeira ou a Travessa da Rabicha.

Uma das 360 travessas de Lisboa é a Travessa da Silva em Belém. E este é mesmo o nome oficial, não é só Travessa da Silva, é Travessa da Silva em Belém, não vá alguém confundir com outra qualquer Travessa da Silva (que por sinal não existe em Lisboa) ou então alguma senhora que se chame mesmo Travessa da Silva.

Os quartéis também são assuntos de predilecção das travessas. Existe uma Travessa de Cima dos Quartéis na freguesia de Santa Isabel, e uma Travessa Debaixo dos Quartéis também na mesma freguesia. Já na Ajuda, existe uma Travessa Detrás dos Quartéis.

Uma das mais engraçadas é a Travessa do Fala-Só, que aparentemente ganhou o seu nome por ter sido muito frequentada por um cidadão que tinha por hábito... falar sozinho. Fica ao pé da Calçada da Glória, já a chegar às Taipas.

Sem ter nada a ver, temos também a Travessa do Jogo da Bola. Desenganem-se aqueles que acham que é aqui que estam os estádios de Alvalade e da Luz, isso chama-se Segunda Circular. Esta travessa nem sequer tem nada a ver com futebol. O jogo da bola, ou jogo da péla, é daqueles jogos pré-mundo com televisão e consolas em que as pessoas se divertiam na rua. Acho que é uma coisa parecida com o jogo da malha.

E o prémio final para a travessa mais estranha vai para a: Travessa do Recolhimento de Lázaro Leitão! Também me arrisco a dizer que, com 36 letras, é provavelmente a rua com nome mais comprido de Lisboa. E quem foi Lázaro Leitão e porque se recolheu? Lázaro Leitão Aranha, apenas Lázaro para a família, era o secretário de embaixada de D. João V. Em 1742 comprou um edifício previamente ocupado por frades barbadinhos italianos, e fundou um recolhimento. Os recolhimentos eram uma espécie de orfanatos, mas para viúvas "donas de bom nascimento, caídas em pobreza". Havia, segundo relatos, 7 recolhimentos em Lisboa, entre os quais o de Lázaro Leitão, que acabou por dar o nome a travessa onde se localiza. A instituição ainda hoje funciona.

E assim ficamos. Talvez para a próxima se fale do Cunhal das Bolas, quando isto estiver com menos visitas e tivermos de baixar o nível para as subir.

PS - A imagem é uma travessa, sim.

3 comentários:

tiagugrilu disse...

Esse Lázaro Leitão é que a sabia toda... Um albergue de viúvas... Ui, ui...
Devia dar umas voltinhas com as mais bem conservadas e levava-as para a Travessa do Recolhimento.

If you know what I mean.

Anónimo disse...

Caro João Gameiro
Não queria deixar de comentar este trabalho, que acho bastante interessante.
Com esta forma "pitoresca" ou "brejeira" de se dizer as coisas, podemos sempre aprender um pouco dos locais de Lisboa.
Nesta "Travessa do Recolhimento de Lázaro Leitão", vivia uma família que eu visitava. Andei na Escola do Convento das Comendadeiras, muito perto desse local, e morava em Xabregas. Bons tempos!
Termino, felicitan-o pelo tema abordado.
Se ainda não pensou, deve tratar também de BECOS pois existem bastantes e bem curiosos.
Um abraço
APS

APS disse...

Caro João Gameiro
Não queria deixar de comentar este trabalho.
Com esta forma "pitoresca" ou "brejeira" de dizer as coisas, podemos aprender um pouco mais os locais de Lisboa.
Nesta «TRAVESSA DO RECOLHIMENTO DE LÁZARO LEITÃO», vivia uma família que eu visitava. Andei na Escola primária no Convento das Comendadeiras muito perto desse local e morava (nessa altura) em Xabregas. Bons tempos!
Termino, felicitando-o pelo tema abordado.
Se ainda não pensou, deve tratar também de BECOS, pois existem bastantes e bem curiosos.
Um abraço
APS