19 de fevereiro de 2008

UMA UNIÃO VITAL

"Muitas vezes me acontece isto: sentar-me no terraço, com vista para o Alentejo, e pensar se Deus existe. o terraço dá para um vale, lá em baixo há um pomar, um campo de oliveiras, um poço, uma horta e um pequeno ribeiro com uma fila de marmeleiros que assinala o fim do terreno plano. Depois, eleva-se uma colina povoada de sobreiros e pinheiros bravos e é atrás dela que o Sol se põe. Há três momentos mágicos, ao longo do dia, no vale. De manhã cedo, quando o mundo desperta e vamos reconhecendo, um a um, os sons do novo dia a instalarem-se. Ao fim fim da tarde, quando o vale é atravessado longitudinalmente por bandos de pássaros apressados, nos seus últimos voos antes da noite: pombos bravos, patos, falcões, cegonhas, pardais de toda a espécie e às vezes uma perdiz voando rasteiro. No fundo do vale, mora um pica-pau, que não se deixa ver, mas que se faz ouvir com o seu matraquear na madeira. Na primavera, há um cuco que chama por nós regularmente como se nos quisesse anunciar que está vivo e de volta, depois de mais um ano. À noite, finalmente, o vale é da coruja e só ela, os grilos, no Verão, e as rãs, quando a água, quebram o silêncio das estrelas.
A noite é o terceiro momento do vale. Em noites de luar, na Primavera e no Verão, as sombras roçam-se em nós, com o seu tecido fino de luz, e as estrelas são tão baixas e visíveis que, se falarmos com elas, ouvimo-las à escuta.(...)"

Este excerto retirado do livro "não te deixarei morrer David Crockett" de Miguel Sousa Tavares resume quase perfeitamente o que é o campo. Uma confusão de sentidos. A paz e tranquilidade que se esconde na cidade. Não perfeitamente porque as palavras não o substituem. Tantas vezes me dizem: "Mas o que é que vais fazer para a Chamusca estes dias!?", "O que é lá fazes?" ou "Que seca!". Talvez até não faça nada mas só o facto de lá estar conforta-me e vale sempre a pena. Quem não tem relação com o campo nunca perceberá a sua magia e encanto. Adoro a cidade. Mas adoro ainda mais o campo, e não conseguiria viver sem ele.

Sem comentários: